"Hoje acordei para ser feliz, nada menos que isso."

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Don Juan DeMarco...



Porque o romantismo e a arte da conquista não sairam de moda.!!!!!!!





A história do homem que pensava ser o maior amante do mundo...
e das pessoas que tentaram curá-lo disso!





"Poucos homens tem a capacidade de conhecer as mulheres profundamente ... Pouquíssimos homens sabem entender seus mistérios, seus desejos, suas atitudes e tratá-las respeitosa e sedutoramente como D. Juan fazia. Ele as compreendia em seus universos. .."





"A beleza é a promessa do prazer...prazer é a insinuação da felicidade e esta, a contemplação do paraíso desejado.Mas beleza por si só não gera sedução.Sedução se faz com coisas mínimas, discretas e quase imperceptíveis."





A Obra:
Carta de despedida:
Quero encerrar minha vida por causa de um coração partido. A mulher responsável por isso é Doña Ana, minha gloriosa mas perdida alma irmã. Um mundo em que devo viver sem minha querida Doña Ana é um mundo em que não mais desejo permanecer, embora ainda seja o maior amante do mundo. Fiz amor com mais de mil mulheres, um recorde extraordinário para um homem de tão pouca idade quanto eu. Como a música, ginástica ou patinação artística, o jogo do amor produz de vez em quanto um prodígio, desabrochando cedo e com intensidade. Sou um prodígio assim. O próprio Zeus pode ter me superado em variedade de espécies experimentadas, mas nunca em ardor. Nenhuma mulher jamais saiu de meus braços insatisfeita, mas isso não tem a maior relevância, agora que perdi a única mulher que já me importou. Assim, no vigor da vida, aos vinte e um anos, decidi encerrar minha vida esta noite. A incomparável Doña Ana foi outrora toda minha, mas a perdi para sempre.





Naufraguei, fui arrastado para a praia como uma massa de algas, encontrado por uma linda jovem, e depois lançado de novo nas profundezas. Afeições frustradas, esse é o meu problema. Mas ao ler minha história, estranho, pense numa praia ensolarada, café e ouzo, nos ombros dourados de uma virgem vestida de seda, cantando inocente ao lado das águas amnióticas do Egeu. Você dirá, sem dúvida, que eu a tive, no final das contas. Nus nos engalfinhamos, enquanto iates passavam. Uma poupa empoleirada no alto de uma coluna de templo em ruínas contemplou nosso acasalamento acrobático, com um espanto de ave. Ficará perplexo com minha determinação em morrer, considerando a rede de desejo que tecemos em torno de nossos corpos, o dar e receber, sempre experimentando, desinibidos, belos como o peixe-lua. Ela foi minha, você vai pensar, este garoto desfrutou as liberdades mais ardentes, os segredos mais íntimos de sua amada, e a possui por completo.






Estaria enganado, você que me julgou tão tolo, porque foi ela, por uma vez e para sempre, que me possuiu. Ali, na ilha mágica, no fresco ar marinho, perfumado por madressilva e tomilho, à sombra das oliveiras, na mesa de piquenique, ela tomou o que fora antes meu coração e o jogou fora. Lascívia não é substituto para o amor. Meu gênio foi nunca Ter dado menos que as duas coisas a nenhuma mulher. Roliça ou magra, loura, morena ou de cabelos azuis, extraí o melhor que havia em cada uma, até o acidente de navegação que me lançou naquela praia infernal, onde cortejei e perdi minha querida Doña Ana. Meu amor pertence agora, para sempre, a essa única e adorável mulher. Nunca mais entregarei todo o meu coração a cada doce jovem, como outrora fazia. Doña Ana me possui, e fugiu de mim, sem qualquer boa razão. Destruiu nossa felicidade, e me deixou apenas com indagações. Por que ela acabou com nossa perfeita bem-aventurança? Por que todas as minhas súplicas foram em vão? Por que meu sacrifício mais sincero foi inútil? Por que ela foi embora de nosso Paraíso sem olhar para trás?





Doña Ana me deu o melhor motivo para me lançar no olvido, mergulhar na eternidade. A memória, como um véu, obscurece minha vista, pior do que minha máscara de seda preta jamais foi. Não posso mais avistar um caminho para continuar por este mundo frio e cruel. Não sei o que ela está sentindo. Creio que pode estar arrependida, sufocada pelo pesar. Gostaria de pensar que ela sente saudade de mim, e que acha todos os piqueniques secos e insossos, depois do requinte das .refeições que partilhamos. Seria agradável pensar assim. Mas talvez eu nunca saiba se ela sofre tanto quanto eu. Aquela donzela simples, a quem dei meu amor irrestrito, talvez nunca tenha apreciado que amor excepcional abandanou quando me rejeitou. Doña Ana me deixou apenas as cinzas do amor, me deixou apenas a sofrer as pontadas amargas da rejeição. Outros podem conhecer essa dor alarmante, a terrível humilhação de ser rejeitado por uma mulher. Nunca fui repelido antes daquele dia. Minha vida smpre fora de felicidade e amor, idolatrado pelas mulheres.





Todas sempre me adoraram, e eu a elas, até que Doña Ana fugiu de mim naquela tarde angustiante. Depois que ela partiu, vagueei pela ilha por dias. Era como um cachorrinho órfão, chamando e chamando seu nome. Olhava sob as moitas e em cavernas, indagava por ela em cada porto, em cada taverna, perguntava aos turistas que desembarcavam dos iates, aos marinheiros e às velhas na praça da aldeia, queria saber se alguém vira minha Doña Ana. Procurava e procurava, sem jamais encontrá-la. Quem quer que encontre esta mensagem, suplico que mantenha a visão dessa mulher deslumbrante e desaparecida pairando em sua memória, como ela assoma para sempre na minha. Sua imagem atormenta cada momento de vigília meu, talvez ainda mais tantalizante para você, que nunca a viu, do que para mim, já que desfrutei a bem-aventurança, além da desgraça.




Imagine os joelhos com covinhas do corpo nu perfeito, alegre ao sol de uma ilha tropical, lembre a fragância de flores e algas, prove o gosto salgado de uma brisa quente, e depois pense que tudo gira ao seu redor, que se encontra no próprio coração desse banquete para todos os sentidos e sentimentos, que cada movimento seu apenas aumenta o prazer, que nunca se cansa, nunca tem fome, nunca fica triste, mas está sempre envolto pela bem-aventurança. Lembrei de lhe contar que a túnica de seda branca de Doña Ana fluía em torno do corpo gracioso, até os pés delicados, de tal forma que ela parecia uma sereia enquanto corria de mim? Contei isso? É tarde demais agora. Estou partindo para o olvido.









Trechos da obra:" -- Meu nome é Don Juan De Marco. Sou filho do maior espadachim, Antonio Garibaldi De Marco, que sofreu uma morte trágica, ao defender a honra de minha mãe, a linda Doña Inez Santiago y San Martine. " " -- Nunca me aproveito de uma mulher. Proporciono prazer às mulheres, se elas assim desejam. "
" -- Peço desculpas por essa demonstração pouco viril, Don Octavio. Mas o coração é como o céu... uma parte do Paraíso, esquentado pelo sol, penetrado pelas estrelas, e depois de calcinado e perfurado é coberto por nuvens, as tempestades definham em gotas d´água... e os olhos ao final derramam o sangue do coração, convertido em lágrimas. "










Uma hora depois, Don Juan, em traje completo, embora sem a máscara e a espada, estava dançando o flamenco diante dos olhos aturdidos de Bill Dunsmore. Mesmo assim, Bill ainda tentou uma linha cautelosa de interrogatório: -- Não gostaria de falar a respeito da sua tentativa de se matar? Don Juan parou de dançar, aproximou-se de Dunsmore. O médico insignificante tentou não se mostrar intimidado. Don Juan percebeu no mesmo instante que aquela pálida imitação de homem não tinha condições de enfrentar nem mesmo um adversário de modesta habilidade. Achou graça, em vez de se sentir ofendido, como um gato diante de um camundongo a desafiá-lo para uma luta de boxe. E decidiu brincar com a criatura. Educá-la pelo menos um pouco. -- Eu falar com você? Quer que Don Juan De Marco, o maior amante do mundo, converse com você, um insignificante camponês? O que você pode saber sobre o grande amor? - disse ele. Don Juan inclinou-se para frente, de tal forma que sua respiração fragrante esquentou os lábios flácidos do aturdido médico. -- Alguma vez já amou uma mulher até o leite vazar dela, como se tivesse acabado de dar à luz o amor, sendo agora obrigada a amamentá-lo ou explodir? Bill Dunsmore, numa reação involuntária, sacudiu a cabeça, ao mesmo tempo em que se encolhia timidamente, dando a impressão de que queria afundar em sua cadeira. Don Juan passou a língua pelos lábios, num gesto delicado. -- Alguma vez já saboreou uma mulher até ela acreditar que só poderia ser satisfeita se consumisse a língua que a devorava? - Don Juan tornou a se inclinar para Bill, e continou, num sussurro - Alguma vez amou uma mulher de forma tão completa que o som de sua voz no ouvido dela podia fazer com que ela estremecesse e explodisse de tanto prazer, a tal intensidade que só o choro podia lhe proporcionar um pleno alívio? Bill ficou temporariamente incapaz de falar. Don Juan recuou, exibiu o seu sorriso mais afável, mais nobre. Não havia necessidade de ser cruel. Ele nunca agia sem misericórdia... "







-- Há alguns que não partilham minhas percepções, sem dúvida. Quando digo que todas as minhas mulheres são beldades deslumbrantes, há quem proteste. Não, não, dizem eles, o nariz desta mulher é muito grande, a outra tem quadris largos demais, os seios de uma terceira são muito pequenos... Don Juan deu de ombros à mesquinhez de tais objeções. -- ... mas vejo essas mulheres como são de fato... gloriosas, radiantes, espetaculares, impecáveis... porque não sou limitado por minha vista. O jovem fitou nos olhos o homem mais velho e acrescentou em voz suave, com extrema sinceridade: -- As mulheres reagem a mim como o fazem, Don Octavio, porque sentem que procuro a beleza que habita dentro delas, até que prevaleça sobre todo o resto. E depois... as mulheres não podem resistir a seu próprio desejo de liberar essa beleza e me envolver nela. "










" -- E de repente fui atingido por uma revelação. A maneira como um corpo de mulher é feito, a maneira como um corpo de homem reage, o fogo ardendo em minha virilha, o intenso desejo de se fundir em uma só pessoa... tudo se juntou num clarão brilhante. O êxtase de Doña Julia foi tão grande que ela sacudiu a cabeça como um cavalo de corrida, urrou como uma leoa. Beijei seu pescoço. A pele dela era muitos mais quente do que a minha, tão macia, tão deliciosa, que eu a beijei por toda parte, enlouquecido pela proximidade de seus segredos mais íntimos. Don Juan considerou os maiores mistérios. -- Amaríamos se nunca tivéssemos ouvido falar do Amor? Se a palavra 'Amor' nunca tivesse sido pronunciada por ninguém? É tudo imitação da arte, inclusive o Amor? Ele retornou à memória de sua primeira amada. -- Beijei os dedos de seus pés, os tornozelos, os joelhos roliços e rosados, as coxas, tudo. O amor é uma doença? Ou não passa de um fogo que tudo consome, que aquece o coração, e depois o deixa calcinado? Pode haver uma inspiração sem Amor? Se nenhuma mulher jamais tocasse um homem como Doña Julia ne tocou, nunca acariciasse as pernas de um homem, as coxas, as nádegas, o peito, os ombros, os lábios, se nunca houvesse nenhuma experiência de paixão desenfreada neste mundo, haveria algum quadro? Alguma música? Alguma poesia? Arte de qualquer tipo? O próprio Don Juan respondeu: -- Não creio, Don Octavio. Tenho certeza de que meu interesse pelas artes nasceu naquela noite, enquanto Doña Julia se jogava sobre meu corpo ansioso, montava em mim. Senti-me mais do que feliz em bancar seu humilde animal de carga, enquanto ela me guiava com suas mãos, coxas e paixão incomparável. Foi naquela noite que minha primeira paixão me ensinou tudo o que jamais precisaria saber sobre o Amor. Ele sorriu pensativo. -- As mulheres são o mais próximo que qualquer homem poderá chegar de Deus. O sexo, meu amigo, é a suprema forma de culto. É o hino da vida, a imortalidade que nos é concedida neste mundo, a união com as estrelas, com toda a criação. Não poderá haver expressão maior da maravilha e da majestade de Deus do que, no processo de amor, que cria e dá significado à vida, os momentos que levam à suprema bem-aventurança, quando duas pessoas efetuam o ato de amor, como Doña Julia e eu fizemos naquela noite, à margem do rio. "






-- A primeira mulher que amei plenamente, com toda a força do meu corpo e a alegria de meu coração, revelou-me os risonhos segredos do universo. Aprendi com ela as respostas para as únicas quatro perguntas que merecem ser formuladas: ' O que é sagrado? De que substância é feito o espírito? Pelo que vale a pena viver? E pelo que, tudo dito e feito, vale a pena morrer? ' Don Juan parou de falar por um instante, pelo efeito dramático. -- A resposta a todas essas indagações é a mesma. A resposta, Don Octavio, é o Amor. Apenas o Amor. "





Meu nome é Don Octávio del Flores. Sou o maior psiquiatra do mundo.Já curei mais de mil pacientes.Seus rostos perduram em minha memória como dias de verão...mas nenhum se compara a Don Juan DeMarco.Então, não foi tão insano nos encontrarmos num avião voando para ilha de Eros. Era como o Éden antes da queda. Tudo parecia possível.E como termina nossa fábula?Sua Doña Ana, a da foto do meio, estaria ela esperando na praia por toda a eternidade até que ele voltasse como haviam prometido?Por que não?Tristemente, devo informar que o último paciente de quem tratei, o grande amante Don Juan DeMarco, sofria de um romantismo que era absolutamente incurável, e o que era ainda pior, altamente contagioso...


Have You Ever Really Loved A Woman? (tradução)
Bryan Adams

Você Realmente Já Amou Uma Mulher?

Para realmente amar uma mulher, para compreendê-la
Você precisa conhecê-la profundamente por dentro
Ouvir cada pensamento, ver cada sonho
E dar-lhe asas quando ela quiser voar
Então, quando você se achar repousando
Desamparado nos braços dela
Você saberá que realmente ama uma mulher...
Quando você ama uma mulher
Você lhe diz que ela, realmente, é desejada
Quando você ama uma mulher
Você lhe diz que ela é a única
Pois ela precisa de alguém
Para dizer-lhe que vai durar para sempre.
Então diga-me: você realmente, realmente
Realmente já amou uma mulher?
Para realmente amar uma mulher
Deixe-a segurar você
Até que você saiba como ela precisa ser tocada
Você precisa respirá-la, realmente saboreá-la
Até que você possa sentí-la em seu sangue
E quando você puder ver
Seus filhos que ainda não nasceram
Dentro dos olhos dela
Você saberá que realmente ama uma mulher
Você precisa dar-lhe um pouco de confiança
Segurá-la bem apertado
Um pouco de ternura, precisa tratá-la bem
Ela estará perto de você, cuidando bem de você
Você realmente precisa amar uma mulher...
Então diga-me: você realmente, realmente
Realmente já amou uma mulher?

Don Juan DeMarco de Jean Blake White...















3 comentários: